Será que o que vemos é o começo do fim do webmail?

Pesquisa revela que uso de e-mail só cresce entre os mais velhos, e adolescentes o substituem por redes sociais; mudança poderá custar caro.

O número de pessoas que acessam sites de webmail, como Hotmail e Gmail, está em declínio, de acordo com uma pesquisa recente da comScore.

Na comparação de novembro de 2010 com o mesmo mês de 2009, a empresa de pesquisas descobriu uma queda de 6% no total de visitantes desses sites.

Além disso, o tempo gasto nos sites caiu 10% de ano para ano.

Pode a nuvem do webmail estar se dissipando tão rapidamente qunanto se formou? Talvez não. Mas os sinais não são bons para aqueles que têm utilizado os serviços de alta qualidade oferecidos por gigantes como Google e Microsoft. À medida que o padrão de uso se altera, as duas empresas tentarão cada vez mais tirar dinheiro de seus usuários.

A queda de visitantes foi ainda maior entre adolescentes na faixa dos 12 aos 17 anos: 24%. Os números de engajamento – a quantidade de tempo gasta no site, medida em minutos e páginas visitadas – caiu pela metade.

Adolescentes dão uma dica do que pode ter sido o culpado pela mudança: os serviços de mensagens construídos dentro dos sites de rede social. Esse público fica tanto tempo no Facebook que ele se torna uma “concha para a Internet” que raramente tenta sair de seus limites. Mudar para um site diferente apenas para ver uma mensagem é bobagem. O serviço de correio do Facebook não é perfeito, mas é bom o suficiente para uso leve (embora as coisas tendam e melhorar).

Para grupos geralmente excluídos das redes sociais por causa de sua idade, o webmail mostrou o tipo de crescimento que poderíamos esperar: dos que têm 55 anos ou mais, houve um aumento de 16% em termos de visitantes, na comparação com 2009. Entre os maiores de 65 anos, o aumento foi de 8%.

Celulares são ameaça
A maior ameaça vem dos aparelhos móveis. A pesquisa mostrou um crescimento de 36% no acesso a e-mail por dispositivos móveis. Contudo, não está claro como o e-mail tem sido entregue – se por serviços de push ou via caixas POP3 comuns, por exemplo, ou mesmo via webmail móvel.

O fato é que o cenário é este: as coisas estão mudando no mundo do e-mail, e nós poderemos estar prestes a assistir ao maior terremoto desde que o próprio webmail foi lançado, via Hotmail, em 1996. A queda em visitantes nos serviços de webmail não passará despercebida.

Os usuários não poderão sair bem dessa história. Atualmente, temos uma quantidade estonteante de serviços, de graça. O Gmail oferece mensagens livres de anúncio, acesso POP3/IMAP (para que o e-mail possa ser recebido por qualquer cliente de e-mail), quantidades insanas de armazenamento, além de vários outros recursos que fazem do uso do serviço um sonho.

Como usuários, tudo que é exigido de nós é esbarrar incidentalmente em anúncios aqui e ali, e algumas vezes clicamos nos que parecem mais interessantes. Se o Gmail (ou o Hotmail) faz dinheiro com isso, não importa. Nós ainda vivemos os dias loucos da adolescência da Internet; não acabe com a festa fazendo perguntas!

Mas continua sendo importante tentar fazer dinheiro, e é por isso que existem os anúncios. No entanto, se as pessoas não os veem mais porque estão usando outro método de receber e-mail além do website, pode ser que alguém no cada vez mais burocrático Google comece a entrar em pânico.

Pessoas em pânico fazem coisas tolas, e podemos imaginar o que poderá ocorrer: anúncios em mensagens, limitações no número de mensagens baixadas via POP3/IMAP, tarifas de “upgrade” para funções adicionais, e por aí vai. A Microsoft poderia começar a fazer este tipo de coisa agora mesmo com seu Hotmail, não fosse a concorrência do Gmail.

E a publicidade, onde entra?
O maior problema que desponta no horizonte é que a tecnologia móvel é bastante resistente à publicidade.

Uma tela pequena torna imperdoável esbarrar com um banner aqui e ali, por exemplo. Anúncios popup são impossíveis. O único caminho seria anúncios intrusivos que costumam atrair a ira dos usuários – como os anúncios-portão que precisam ser vistos antes que o usuário veja o conteúdo que lhe interessa, por exemplo, ou acrescentar publicidade ao conteúdo sem a permissão do usuário.

Não há dúvida que o Facebook reagirá a tais tentativas, amarrando seu futuro serviço de mensagens a um produto maior que oferecerá todos os tipos de valor adicional e que já conta com um sistema de anúncios não obtrusivos. De fato, como a experiência com o Google Wave provou, o caminho à frente poderá ser estender o e-mail além das mensagens. Mas a Google teve pouco sucesso nisso.

A comScore foi rápida ao apontar na pesquisa que o e-mail ainda é um dos serviços online mais populares, alcançando 70% da população dos Estados Unidos todo mês. A sede por serviços de e-mail talvez nunca morrerá, mas a forma como as gigantes de TI saciam seus desejos tende a mudar à medida que o tempo passa.

Fonte: PC World/EUA

Anúncios

7 comentários sobre “Será que o que vemos é o começo do fim do webmail?

  1. Rafael, acredito que cada vez mais os adolescentes ou melhor pre-adolescentes estão utilizando redes sociais (orkut, twitter, facebook) com isso, logo logo esses adolescente estaram no mercado de trabalho usando a mesma ferramenta.
    De uma forma geral hoje em dia as pessoas tem seu tempo muito curto, e uma simples “twitada” ou ” recado no facebook” pode resolver muita coisa.
    Acredito que não é o fim do Webmail, porém acredito que é tempo da modernindade, o tempo do FAST FORWAD.
    Minha opinião.
    Att

    Murilo Medeiros.

    • Concordo Murilo, acho que a Geração Z que vem por ae tende a tornar o email obsoleto por conta do imediatismo ainda mais aflorado do que a geração Y.

      Grande Abraço,
      Rafael Sá Oliveira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s